terça-feira, 6 de outubro de 2009

Coisas que eu gosto, detesto e odeio

Coisas que eu gosto, detesto e odeio

No Verão


Milho cozido com manteiga e sal
cachorro quente
Nadar, mergulhar,
E depois me deitar de barriga na pedra quente
Tomar sol dormindo na praia
Dormir na rede
Dormir na sala
Dormir mais
Boiar de costas ouvindo musica e vendo o céu
Limonada muito gelada
Caipirinha com peixe frito
Água de coco no coco
Comer a babinha do coco verde
Açaí na tigela com banana e granola
Pegar jacaré
Toboàgua
Picolé de fruta no palito
Reggae e lambada
Cheiro de mato depois da chuva

Mas Detesto
Duplas de frescobol
Areia no biquíni
Toalha ensopada
Cachorro na praia
Marreteiro gritão
Piso melequento
Queimadura de sol
Borrachudos
Canais de esgoto
Fio de cabelo sujando a água
Bronzeador de óleo

No Inverno



Fondue de queijo e chocolate
Chocolate quente com conhaque
Qualquer chocolate
Chazinhos estranhos
Petit fours
Pão quente com manteiga e geléia
Neblina
Lareira
Geada
Sopa com pão quente
Meias de lã
Edredom
Pipoca e vídeo
Vinho quente
Quentão
Batatas e cebolas assadas na brasa
Dormir até tarde abraçada com meu “cobertor de orelha”

E Odeio
Beiço rachado
Chuveiro morno e minguado
Vento frio
Nariz escorrendo
Umidade
Levantar cedo

Favoritos



Flores
Café da manhã de hotel
Cama king size com 6 Travesseiros de pluma
Perfume de jasmim, e ylang ylang no travesseiro
Chá de hortelã e cidreira gelados
Suco de casca de lima
Marshmallow em todas as suas formas
Pepino, alface, rabanete, erva-doce
O estrogonofe da minha mãe
O nhoque da minha Avó
Bacalhoada e feijoada das duas
Os espumantes do meu pai
Banho de espuma na banheira à luz de velas, com Tequilla gelada
New Age, New Wave
Blues, Reggae
Tangerina Ponkan
Caldo de cana geladíssimo
Morangos, Mirtilos, Framboesas, Amoras, e Carambolas
O sanduíche de filé com requeijão do meu marido
Rosas Vermelhas, Amores perfeitos, e Lírios
A voz do meu filho
A mão do meu marido
O sorriso e os beijos dos dois
Os abraços da minha família

Fazendo Parentes



Fazendo Parentes

Estava lendo um texto com este nome.
Tive uma intuição que nada tinha a ver com o texto.
Somos todos uma grande família cósmica, e estamos no tempo de “fazer parentes”. “Ter parentes” é uma contingência genética, mas “fazer” não.
Muitos de nós temos mais afinidade com amigos, companheiros de jornada, colegas, vizinhos, do que com quem divide uma parte do nosso código genético conosco.
No entanto, existe uma tradição de só considerarmos “parentes” aqueles que estão nesta categoria de DNA. Mas todos somos “parentes”.
No entanto, considero um desafio, evitar que se nivele a atenção dedicada a todos os “parentes” por baixo.
Esclarecendo, é tão difícil amar um desconhecido como a um parente biológico, quanto amar um parente biológico com quem não temos nenhuma afinidade, da mesma maneira que amamos alguns conhecidos queridos.
Nivelar por cima seria “Amar ao próximo, como a si mesmo”.
Nivelar por baixo seria amar todos como se fossem estranhos.

Serviço



Serviço

Como alguém pode prestar Serviço?
A atitude por trás de todo ensinamento é aquela de prestar Serviço voluntário, sem pensar em si. A atitude de crescimento na realização espiritual e na evolução da humanidade. Não o seu próprio desenvolvimento e crescimento pessoal, nem sua satisfação pessoal em receber informações novas e especiais. Conforme for evoluindo e sua alma for tomando posse progressiva de sua inteligência, quando sua mente e esforço estiverem direcionados ao trabalho coletivo, seu discurso e pensamentos tornarem-se não-ofensivos, você se torna o condutor do influxo Universal do Amor.
É importante não confundir sua mente em especulações com relação à identidade do professor. É realmente importante saber de quem se trata? Você pode comprovar sua identidade de uma maneira ou de outra? Tem algum valor aceitar afirmações de qualquer colega estudante que se auto proclama informado sobre o assunto, seja ele quem for?
Você nunca poderá provar que ele está certo ou errado, portanto é uma perda de tempo.
O que é importante é oferecer Serviço produtivo, estudar a fundo os fundamentos essenciais da vida e da consciência superior, e meditação.
O que é ensinado tem importância. Os aspectos da verdade apresentada devem ser ponderados, a estimulação mental e espiritual associada a ela, são importantes.
O treinamento da intuição para reconhecer a Verdade Espiritual deve ser sua meta.
A única autoridade é o ensinamento, e não o professor.
Foi esta confusão que gerou rituais impensados, religiões que servem só a uns poucos, e não à evolução humana.
Só existe uma autoridade, a própria Alma Imortal de cada pessoa, e esta é a única autoridade que deve ser reconhecida.

Faxina Espiritual




Faxina Espiritual

Quando fazemos limpeza em casa sempre descobrimos coisas incríveis nos guardados: tesouros e grandes porcarias.
É assim com a vida, com a alma.
Como sempre faço quando fico doente, paro também pra curar a alma.
Isso demanda paciência, cuidado e coragem.
Tenho memórias jogadas na lixeira que recuperei. Foi sorte nunca ter deletado.
Já tive um apartamento espaçoso, com uma sacada cheia de gerânios que eu aguava todas as tardes. Nesta época eu não comia carne alguma e fazia orações todos dos dias às seis da manhã antes de ir trabalhar. Fazia Yoga e meditação também. Não porque estivesse doente ou necessitada, mas pelo prazer de fazê-lo. Meu contato com Deus era diário e voluntário. Tinha saúde perfeita e eu sonhava com um bebê. Que veio, mas bem depois.
Lembrar dos gerânios encheu minha alma de perfume. Lembrar da rotina que era dura na época da residência medica, foi difícil. Não passaria por aquilo de novo. Tive que enfrentar muito lixo.
Acho que foi o mais perto que consegui chegar da condição de aspirante a anjo.
Eu acreditava que ser corajosa, trabalhadora e íntegra bastaria para manter meu universo em harmonia. De lá para cá foram quase vinte anos atendendo a dor alheia. Desde o quarto ano de medicina que o faço.
Hoje me faltam a inocência, a disponibilidade e a fé no ser humano.
É triste constatar como a consciência de massa e o carma global conseguiram me tragar para dentro deles. Voltei a comer carne, parei minhas orações e meditações. Entrei num túnel escuro achando que estava saindo dele, mas estava entrando. Vamos sendo impregnados com a amargura, o cinismo, a descrença e a indiferença. Perdemos o olhar puro diante dos fatos da vida.
Meu caminho de volta a Deus passa pela Misericórdia, Compaixão, Fé, Amor, Harmonia e principalmente pelo desligamento desta massa cármica global, para que meu plano de vida aconteça.
Continuo pedestre aspirante a anjo. Sei o quanto estou longe desta condição. Principalmente agora que minha carga é maior, mas se eu não der passo algum sei que não chegarei nunca. Quando me sinto fraca leio esta carta que esta abaixo e de alguma forma ela tem o poder de me dar força, trazer lagrimas aos meus olhos.

Desiderata

Siga tranqüilamente, entre a inquietude e a pressa, lembrando-se que há sempre paz no silêncio.

Tanto quanto possível, sem humilhar-se viva em harmonia com todos os que o cercam.

Fale a sua verdade mansa e claramente, e ouça a dos outros, mesmo a dos insensatos e ignorantes, eles também tem sua própria história.

Evite as pessoas agressivas e transtornadas, elas afligem o nosso espírito.

Se você se comparar com os outros, você se tornará presunçoso e magoado, pois haverá sempre alguém inferior e alguém superior a você.

Você é filho do universo, irmão das estrelas e árvores, você merece estar aqui; e mesmo que você não possa perceber, a Terra e o Universo vão cumprindo o seu destino.

Viva intensamente o que já pode realizar, mantenha-se interessado em seu trabalho, ainda que humilde, ele é o que de real existe ao longo de todo o tempo.

Seja cauteloso nos negócios, porque o mundo está cheio de astúcia, mas não caia na descrença, a virtude existirá sempre.

Muita gente luta por altos ideais, em toda parte a vida está cheia de heroísmo.

Seja você mesmo, principalmente não simule afeição nem seja descrente do amor, porque mesmo diante de tanta aridez e desencanto ele é tão perene quanto a relva.

Aceite com carinho o conselho dos mais velhos, mas também seja compreensivo aos impulsos inovadores da juventude, alimente a força do espírito que o protegerá no infortúnio inesperado; mas não se desespere com perigos imaginários, muitos temores nascem do cansaço e da solidão.

E a despeito de uma disciplina rigorosa seja gentil consigo mesmo.

Você é filho do universo, irmão das estrelas e árvores, você merece estar aqui; e mesmo que você não possa perceber a terra e o universo, vão cumprindo o seu destino.

Portanto esteja em paz com Deus, como quer que você o conceba e quaisquer que sejam os seus trabalhos e aspirações, da fatigante jornada pela vida, mantenha-se em paz com sua própria alma. Acima da falsidade, do desencanto e agruras, o mundo ainda é bonito. Seja prudente.

FAÇA TUDO PARA SER FELIZ
by Max Ehrman (1920)

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Diabretes





Diabretes (acreditem, foi comigo)

Senhora de uns 75anos, gordinha, entra no posto de saúde, carregando umas duas sacolas plásticas amarfanhadas com conteúdo não-identificável, uma sombrinha de cor berrante e uma bolsa enorme debaixo do sovaco.
Vem bufando e apitando na subida da rampa.
Para na frente do balcãozinho da enfermagem e estica a pasta e o cartão para a auxiliar de enfermagem, que ali labuta com dezenas de pessoas todas falando ao mesmo tempo com ela. A velhinha enfia tudo no nariz da moça que após alguns minutos consegue dar atenção a ela:
-Bom dia senhora! Sente aqui que vamos medir a pressão!
Ela se acomoda fungando na cadeira velha de plástico e estica o braço rechonchudo.
-Puxa esta alta! A senhora tomou seu remédio hoje?
-Não...proque fico com vontade de i no banhero!
-Mas Dona Fulana! Toda vez que vem aqui sua pressão esta alta porque nunca toma a medicação antes! Como que a médica vai saber se o remédio esta controlando ou não sua pressão?
-Não é purisso que eu vim.
-Porque então?
-Tou com diabretes! O pastor da minha igreja disse que se eu orassi muito Jésuis curava ieu, ieu obedeci e ai vim conferi se curô.
A mocinha arregala os olhos:
-Senta ai que vou falar com a doutora.
Corre pra dentro do consultório agitada:
-Doutora! Tem uma senhora ai fora que quer conferir se os diabretes que ela estava saíram com a oração!
-Quê?!
-É, disse que veio conferir isso com você.
-Ela deve ter errado de porta, a igreja fica a umas duas quadras daqui. Vai ver que viu o prédio grande com a porta aberta, errou e entrou aqui.
-Não, não, não! Ela sabe onde está.
Ai é onde suspiro e me pergunto por que existem as segundas feiras.
-Tá manda entrar, vamos ver o que posso fazer.
A mulher entra e senta apressada e suplica:
-Olha dotora minha pressão ta alta, mas só vim ver se os diabretes cabaram! Não quero bota remédio debaixo da língua hoje!
-Minha senhora, como que apareceram os diabretes?
-Eu não sabia que tinha, mas me disseram que era, e ai o pastor falou que era só pedi que Jesus curava.
-E como posso lhe ajudar?
-Vim saber se cabou oras!
- Mas como é que eu posso lhe dizer isso? Não sou religiosa, não entendo de exorcismo, e aqui não é igreja!
E a velhota muito irritada:
-Não ta entendendo, é DI-A-BRE-TES! Igual qui nem duença! Isso que a senhora ta falando é demônio!

domingo, 4 de outubro de 2009

O Grifo

O Grifo



Eu era adolescente. Entre 13 e 16 anos eu acho. Sonhei com ele várias vezes.
Eu sempre sonhava com uma floresta perigosa, floresta européia de centenas de anos atrás.
Ele era branco. Pelagem branca no corpo forte de leão, e penas alvas nas enormes asas. Olhos penetrantes e severos que pareciam partir minha alma em duas. Era alto com garras negras e afiadas. Orelhas pequenas e atentas como antenas. Eu tinha medo. Sabia que ele poderia furar meu crânio com uma única bicada.
Alguém me deu um apito de osso que assoprado, não fazia som, mas atraia o grifo obedientemente.
Sonhei muitas vezes com esta floresta e ali, enfrentei coisas estranhas. Sempre que me encrencava, usava o apito, e ele vinha.
Quando chegava estava dócil, eu o abraçava, subia nas suas costas e acordava.

Conspiração Cósmica



Conspiração Cósmica


Quero celebrar aqui o que acredito ser o movimento do Cosmos em plena harmonia das coisas que desabrocham como a vontade dos céus.
Quando o fluxo dos acontecimentos segue um rumo próprio onde coincidências improváveis ocorrem, temos que reconhecer que forças misteriosas agem em direção a um objetivo.
Eventos bons e ruins que fogem ao controle acabando servindo a um propósito misterioso a princípio, mas que aos poucos vai se definindo como a vontade do Cosmos.
Aprendi que realmente há males que vêm pra bem, e que para reconhecer os desenhos que as nuvens formam no céu é preciso olhos atentos. Temos que ouvir com cuidado o sussurro do coração, que canta baixinho a letra da nossa música, o roteiro pra nossa vida.
Nossos sonhos por mais distantes que pareçam, carregam em si o potencial de realização. Abandonar ao longo do caminho todo peso morto, todo sentimento denso, tudo que nos atrasa, pode ajudar a correr mais rápido em direção a eles.
Até os imprevistos mais incômodos podem estar construindo um novo degrau na longa escada que nos leva a alcançar os desejos mais profundos do coração.
Quando se está no caminho certo, o próprio Cosmos assume o comando e conspira para que tudo dê certo.
Digo tudo isso pra mim mesma, e também que preciso confiar, ter Fé.
Neste ano especialmente, quero estar atenta a cada passo e obedecer à vontade dos céus.