sábado, 10 de dezembro de 2011

Entrando em parafuso

Entrando em parafuso




Um tempo atrás reclamei que minha vida parecia rolar sobre uma montanha russa.
Eu não tinha um dia igual ao outro e os altos estonteantes eram seguidos de descidas abissais em alta velocidade. Minha grande dúvida era se Deus estava me enviando algum tipo de lição ou punição.
E eu até que gosto de adrenalina. Mas as coisas estavam fora de controle, estava cansada.
Tão cansada que precisei parar completamente, e esperar algum tempo enquanto o carrinho da montanha russa desacelerava para poder descer dele.
Passei um tempo no solo, parada, sentada, pensando que por raios Deus não me mandava uma vida plana, sem curvas, altos, baixos e encruzilhadas perigosas. 
Até que fiquei entediada e resolvi andar aos poucos, devagar. Foi aí que tive uma epifania! 
Andando lentamente pude perceber que não estava em solo. 
Era eu quem escolhia o caminho e o veículo.
Estava dirigindo minha vida dentro de um avião a jato em dia de manobra da esquadrilha da fumaça, sem a fumaça. Nunca houve montanha russa. O que me parecia chão era o céu, e o céu parecia a terra.
Eu piloto fazendo "Loopings", "Quedas em parafuso", "Splits", Espirais", "Breaks". E caso encontre alguém voando, faço questão de acompanhar a pessoa em formação por um trecho antes de seguir meu caminho.
Finalmente entendi porque alguns acham que sou "meio doida", e preferem manter uma certa distância. 
Deve ser esquisito andar por ai com alguém fazendo acrobacias sobre a sua cabeça.
No entanto, fiquei muito feliz e grata por constatar que minha familia mais próxima não só voa junto comigo mas também brinca fazendo algumas manobras.
Ponderei se não seria mais seguro arranjar uma bicicleta e seguir pela praia. Mas eu não suportaria o tédio.
Já tenho os meus dias em que piloto um dirigível, e está de bom tamanho.
Em breve decolo para mais estrepolias em alta velocidade. É o frio na barriga que me faz sentir viva.
Pode ser que um dia eu caia sem chance de me ejetar. Mas não tem problema.
Prefiro morrer me sentindo viva do que viver me sentindo morta.