domingo, 9 de março de 2014

Guichês

Guichês

Anfiteatro lotado. Almas de todas as raças, credos, e lugares apinhando os degraus, vestindo camisolas brancas, seguram um papelzinho na mão.
Lá em baixo no centro um sujeito luminoso sentado opera duas gaiolas esféricas com bolinhas e um disco rotatório com um ponteiro em cima de uma mesinha.
O luminoso pega o microfone e canta: -Número 546.378.965 !
Berra: -Re-pe-tin-do! -Número 546.378.965 !
Todo mundo conferindo numero por numero cuidadosamente, até que um sujeito magrelo e desajeitado levanta de má vontade e ergue o braço: -Eu! Eu!
O luminoso com pouca paciência: -Desce amigo! Tem que descer aqui!
O magrelo vai se esquivando degrau por degrau ziguezagueando no tumulto de gente sentada, até entregar o papel para o luminoso.
-Olha só amigo, antes de mais nada você vai ter que rever uns pedaços importantes das suas vidas passadas, é rapidinho que o editor aqui é fera. Coloca aqui este óculos 3D e os fones de ouvido. E grita: -Ô da mídia, pode rolar o VT ai!
De óculos o magrelo vê a invasão Mongol. Ele esta no meio, vê uma estátuta de Buda, tira o spray da sacola que esta no cavalo e pinta o Avatar de rosa. Depois ele é um Romano no Monte Calvário, Jesus esta morrendo na cruz, ele pega o chiclete de tutti frutti que esta mastigando e prega na cruz. Agora ele é um Cruzado pobre a pé, empurrando uma carroça, e ao passar pelo túmulo do Profeta Maomé, aproveita pra fazer um xixi atrás da pedra. Na França Vitoriana ele faz parte de um jogo com Tabua ouija. Usando os pés por baixo da mesa ele bolina as pernas das senhoras presentes que acreditam ser um espírito. Na Bahia, ele esta voltando pra casa e ao passar por um encruzilhada vê lá um banquete: cachaça, farofa, charuto, frango assado e até pudim de leite, não aguenta e come tudinho.
O luminoso interrompe: -Tá bom né Número 546.378.965? Chega? Já entendeu?
Magrelo com cara de abobado:- Não senhor.
Luminoso: - Por isso que é repetente. Vamos sortear os numeros da primeira gaiola. E ele roda, roda, lá dentro tem cinco bolinhas só. Céu, inferno, purgatório, reencarne, descriação.
Pinga a bolinha do reencarne.
Magrelo:- Ai meu Deus de novo não!
-Deus esta de folga, nem adianta chamar. Ordens são ordens.Vamos rodar a segunda gaiola, lá dentro tem seu gênero. Estamos democratizando e adotamos o sistema do Facebook então tem mais de cinquenta opções fique tranquilo.
O magrelo cruza os dedos, fecha os olhos e sai a bolinha do bitransneutrosexo fluido.
-Hã? Mas tem isso? que é que eu vou fazer examente? vou namorar com quem?
Luminoso dando de ombros: -Ah mas esta é a beleza da Democracia Divina meu filho! Quem define é você. Agora vamos pro disco da sorte. Você sabe né? Cada risquinho é uma localização geográfica no Planeta Terra.
Magrelo roda e pensa com força torcendo: Suécia, Suécia Suécia!
O ponteiro para em Bangladesh. O magrelo cai duro para trás. Os irmãos se juntam para acudir.
-Toma uma água com açúcar meu filho, nestes casos pode rodar mais uma vez que a gente dá esta chance.
E lá vai a alma esperançosa rodar a sorte do país. Somália. Ele desmaia outra vez.
Sai de padiola levado pelos outros irmãos de branco.
Quando acorda, esta na recepção de uma sala enorme cheia de guichês e cadeiras de espera. Montes de pessoas formam filas. Uma irmã luminosa muito solícita pergunta: -Em que posso ajudar?
-É que eu vou reencarnar na Somália e acabei desmaiando, acordei aqui e não sei o que fazer.
-Ah mas é claro, aqui estão os folhetos de instrução pode sentar, dar uma lida e depois escolher os guichês. É como no rodízio quando o senhor preenche aquela ficha com o que vai querer. Coloque o número dos guichês escolhidos quantas vezes quiser. Não tem limite para o que escolher receber. Depois o senhor entra na fila de cada guichê escolhido para carimbar sua escolha. Só depois o senhor será encaminhado à repartição da escolha de mães e pais ok?
-Sim senhora.
Magrelo olha em volta e não entende nada. O letreiro dos guichês tem um número e coisas escritas em Somali. Alguns tem tanta fila que tem até senha, muitos estão completamente vazios e outros quase vazios.
Ele resolve não perder tempo. Evita os guichês com filas, e entra nos quase vazios.
Os atendentes não podem questionar as escolhas, mas olham espantados para o folhetinho dele e carimbam, carimbam, carimbam até cansar.
Rapidinho o magrelo se manda pra sala de escolher os pais pensando: "Me dei bem. Imagine ficar dando volta em fila com senha na mão. Sai rapidinho de lá, vou pegar os melhores pais"
Na sala do parentesco ele é recebido por um irmão que lhe apresenta fotos, e uma pequena biografia de seus pais. Não tinha nenhum casal rico, nem muito bonito, nem supersaudável, nem megainteligente. Então ele
escolheu uma mãe que pareceu boazinha.
Nasceu de sete meses, pobre, feio, doente, magrelo, numa maloca miserável cheia de gente, no meio de um tiroteio.
Inconformado ele pensa com força -Ó Deus que eu fiz pra virar parar aqui?
Deus responde: -Escolheu os guichês errados meu filho!
Magrelo: -Mas eu não leio Somali!
Deus: -Assim funciona o Karma! Posso fazer nada não! Perdeu irmão, perdeu!